sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Lao-Tsé (ou Lao-Tzu)



A Evolução Espiritual da Humanidade
(O Influxo Divino e A Pluralidade das Existências)



LAO-TSÉ (ou LAO-TZU)
(Cerca de 604 a.C. - China)




“Nas profundezas do Insondável jaz o Ser.
Antes que o céu e a terra existissem, Já era o Ser.
Imóvel, sem forma.
O Vácuo, o Nada, berço de todos os Possíveis.
Para além de palavra e pensamento está o Tao,
origem sem nome nem forma, a Grandeza,
a Fonte eternamente borbulhante:
O ciclo do Ser e do Existir”.
Lao-Tsé


Mestre chinês Erh Dan Li ou Lao Tsé ("O Velho Mestre")



Nascido em Li-Erl, filho de uma humilde família chinesa; sua peregrinação pelo país em constante aprendizado, sua conscientização dentro de um elevado saber, sua consagração como superior dos Lamas e chefe espiritual de toda a China.

Lao Zi (em chinês: 老子, transl. Lǎozi - pronunciado como Láu‑tz, em mandarim) também escrito Laozi, Lao Tzu, Lao Tsé, Láucio, Lao Tzi, Lao Tseu ou Lao Tze foi um famoso filósofo e alquimista chinês. Sua imagem mais conhecida o representa sobre um búfalo, o processo de domesticação deste animal é associado ao caminho da iluminação nas tradições zen budistas.

Segundo o texto de Wu Jyh Cherng:

“Muitos anos depois, teve sua ascensão no deserto de Gobi, durante a qual emanou raios de luz em cinco cores, transformando-se em corpo de luz dourada e desaparecendo no céu.”

“Após sua ascensão, retornou novamente à terra encarnado como filho único do senhor Li Po Yang da província Shu.” Seu discípulo Yi Shi, o oficial da fronteira, o reencontrou na aldeia da família Li. Diante dele a criança de três anos de idade revelou sua verdadeira imagem. Seu corpo cresceu, transformando-se em luz dourada branca. “Lao Tse pronunciou mais um ensinamento: o Tratado Maravilhoso do Princípio Solar do Tesouro do Espírito (Ling Bao Yuan Yang Miao Ching). Após concluir seu ensinamento, os duzentos membros da família Li ascencionaram seguidos por Lao Tse e Yi Shi. Isso aconteceu no dia 28 de abril de 1118 A.C.”

“Depois do segundo nascimento e ascensão, Lao Tse ainda retornou inúmeras vezes para transmitir os ensinamentos e para ordenar as novas tradições. Por isso, é chamado pelos taoístas como Sublime Patriarca do Caminho.”




Lao Tsé, sem dúvidas, foi um dos mais elevados seres entre os que viveram na terra, tendo legado à humanidade uma obra imortal o Tao Te Ching que atravessou milênios chegando até os nossos dias com o mesmo valor de há 2600 passados. Não se trata de um livro volumoso, pois não é uma obra enciclopédica e sim apenas uma coletânea de 81 pequenos aforismos, mas que representam um imenso manancial da sabedoria comum aos Grandes Mestres da humanidade.

Os ensinamentos de Lao Tsé expressos no Tao Te King representam para o povo chinês aquilo que os ensinamentos de Jesus representa para o mundo ocidental. Por certo o Tao Te Ching e a Bíblia são as duas obras editadas em maior número de volumes e de línguas.

Sabe-se com certeza que Lao Tsé (Lao Tzu) viveu na China, porém há muitas divergências quanto à data exata. Realmente há dúvida se a data do nascimento de Lao Tzu seja aquela citada pela maioria dos autores, desde que os dados sobre a vida desse Mestre se baseiam em mitos e lendas.

Sobre a infância de Lao Tsé pouco se sabe comprovadamente. Há uma obra chinesa muito antiga chamada Shi Chi (Apontamentos Históricos) que diz que Lao Tsé, cujo nome real era Erh Dan Li. Ele teria nascido no sul China numa região chamada Ch'u, em torno do ano 604 a.C. Além da referida obra pouco se sabe de fonte comprovada sobre sua vida, além dos versos do Tao e Ching. Algumas lendas atribuem haver ele nascido entre 600 e 300 a.C..

Dizem os mitos que Lao-Tzu tinha uma personalidade marcante e dotada de grande afabilidade e inteligência e que recebeu tudo o que o seu pai poderia oferecer-lhe em conhecimentos. Por sua dedicação aos estudos e pelo carisma que detinha, lhe foi facilitado o ter se tornado discípulo de grandes mestres de sua época.

Todos os mitos dizem Lao Tsé haver sido um ser excepcional e até mesmo existe uma lenda que diz haver ele sido “concebido imaculadamente por uma estrela cadente” e permanecido no ventre materno por 62 anos, até que surgiu na terra no ano 604 a.C. já com a cabeleira branca.

Fontes confiáveis atribuem a Lao-Tsé a missão de haver sintetizado o Monismo numa doutrina que recebeu o nome de Taoísmo, em parte numa obra milenar conhecida pelo nome de Tao Te Ching.

De acordo com a tradição, Lao Tsé foi contemporâneo de Kung Fu Tsé (Confúcio) de quem foi discípulo após haver vivido na China durante 80 anos se dirigiu para o Tibet tendo antes deixado um pequeno livro, o Tao Te Ching que haveria de se constituir a síntese do pensamento Monista chinês.

Não há bastante evidência histórica de alguém de grande influência que haja vivido na China com o nome de Lao Tzu no 6º século a.C., porém há registros históricos (Shih-chi) de Su-ma Ch'ien do 2º século a.C. que citam um arquivista do Tribunal de Chou e que pessoalmente instruíra Kung Fu Tzu (Confucius). Mas essa afirmação é incompatível com outras crônicas que datam a morte de Lao Tzu meio um século antes do nascimento de Confúcio.



De acordo com a Tradição, Lao Tzu foi o guardião dos arquivos do tribunal imperial e que aos oitenta anos partiu para a fronteira ocidental de China, onde é agora o Tibet, entristecido e desiludido com as pessoas que estavam pouco dispostas a seguirem o caminho da bondade natural.

Entre os autores chineses há também aqueles que dizem que Lao Tsé se tornou o guardião dos Arquivos Imperiais de Loyang (província chinesa de Honan), onde viveu até a idade de 160 anos, quando, então, enojado com a hipocrisia e a decadência da época, decidiu-se a procurar a virtude em um ambiente mais natural. Vemos, portanto, que a data específica de nascimento de Lao Tzu é desconhecida desde que grande parte da sua vida e obra se baseia em lendas. É a Lao Tzu atribuída a autoria do “Tao-Te Ching” (tao-significando o modo de toda a vida; te-significando o ajuste de vida pelo homem; e ching-significando texto ou clássico).

Nem mesmo se tem certeza de que o verdadeiro nome do autor do Tao Te Ching haja sido Lao Tzu; e sim Erh Dan Li. Lao Tzu seria apenas um apelido, não o seu nome real. Lao Tzu seria apenas de um título honorifico cujo significado seria “O Velho Mestre”. Esta afirmativa tem como base um mito que diz que o termo “Velho Mestre” tem como base o fato dele haver nascido já com uma cabeleira branca, portanto, como um homem velho. Também se pode considerar que, no contexto de ensinar e aprender, a palavra “mestre” pode significar “O Estudante Velho” tal como na língua japonesa o nome “roshi” significa mestre de ensino de Zen.

Assim como o nascimento de Lao Tsé é envolto em certo grau de mistério, mais ainda a sua morte. Na verdade oficialmente nada mais se sabe dele após haver saído da China, mas há uma lenda que ele partiu da terra com a idade de 162 e transformou-se em um dragão.



Com certeza Lao Tsé viveu por muitos anos na China até que decidiu partir em direção a uma região que hoje constitui o Tibet. Foi nessa viagem que ele ao atravessar a fronteira da China, em Hank Pass, um guarda chamado Yin Xi (Yin Hsi), lembrou-lhe que possivelmente todos os seus ensinamentos logo cairiam no esquecimento se alguma coisa não ficasse gravada, e assim pediu-lhe que, antes de abandonar a fronteira da China, deixasse alguns ensinamentos básicos registrados por escrito a fim de tudo aquilo que havia transmitido durante tantos não caísse no esquecimento, para que pelo menos em parte pudessem ser preservados para a posteridade. Lao Tzu, que antes jamais aceitara escrever os ensinamentos por admitir que a observação da natureza era um mestre bem mais confiável do que as palavras dos homens, mesmo assim resolveu atender ao pedido do guarda e redigiu numa coletânea de 81 versos a síntese de sua sabedoria.





A OBRA DE LAO TZU - O
TAO TE CHING


Tao - significando o modo de toda a vida;
Te - significando o ajuste de vida pelo homem; e
Ching - significando texto ou clássico.


A Doutrina Taoísta, que tem sua essência representada pelos 81 versos do Tao Te Ching ou Tao Te King, surgiu a mais de 2600 anos atrás.

Lao Tsé, seu fundador, acreditava que pela simplicidade de ser, o homem poderia encontrar seu caminho para a verdade.

Os ensinamentos de Lao Tsé expressos no Tao Te King representam para o povo chinês aquilo que os ensinamentos de Jesus representa para o mundo ocidental.

De acordo com a lenda, Lao Tzu era um arquivista da corte imperial e que aos 80 anos deixou seu cargo e saiu da China triste e desiludido em direção ao Tibet. Mas também há os que afirmam que o Tao Te Ching é apenas uma compilação de versos escritos por vários pensadores que genericamente usavam o título de Lao Tzu. Também existe afirmativa de que o Tao Te Ching provavelmente é uma compilação, ou antologia, de declarações de vários escritores e escolas de pensamento datando do 3º século a.C...

Coerentemente com a sua maneira de pensar ele não escreveu princípios doutrinários, e sim aforismos (versos) de forma tal que pudessem ser adaptados por qualquer pessoa ante diversas situações. Algo aplicável a tudo e a todos, um escrito de forma genérica e não especifica; um texto de natureza aberta que não possibilitasse uma forma textual capaz de ser desvirtuado intencionalmente, ou simplesmente ser deformado pelas traduções. Assim nasceu o fabuloso Tao Te Ching, um livro de conhecimentos profundíssimos embora pouco volumoso desde que nele constam 81 aforismos em forma de versos, que mostram uma maneira de aplicação prática de se viver em harmonia, dentro do equilíbrio das polaridades da manifestação do TAO e simbolizada pelo Tei Gi.

Os aforismos que compõem os 81 versos são de uma simplicidade desconcertante e o que é bem especial, eles são adaptáveis a todas as atividades, a todos os lugares, e a todas as épocas. Por esta razão é que existem centenas de interpretações, cada uma delas especialmente direcionada para um determinado campo de atividade. Por esta razão, de inicio o Tao Te Ching era uma obra destinada aos sábios, aos líderes políticos, e aos governantes da China, mas, com o transcorrer dos séculos, tornou-se uma obra destinada a qualquer pessoa.

Pela razão exposta o Tao Te Ching é mais um texto de aplicação prática do que de ensinamentos doutrinários diretos.

Originalmente no Tao Te Ching foram usados cerca de 5.000 caracteres descrevendo o modo de funcionamento e a manifestação do poder presente no mundo.

No Extremo Oriente o Taoísmo é praticado sob duas formas: o Taoísmo Filosófico e o Taoísmo Religioso; cada uma estuda a natureza sob um ponto de vista próprio. Os Taoístas filosóficos vêem os ensinamentos do Tao apenas como um método de vida, como um guia para a vida buscando essencialmente achar a harmonia entre o ser com a natureza. Esta corrente acredita que se entendendo a harmonia da natureza é possível alterá-la mediante um processo alquímico.

A escola filosófica Taoísta tem suas raízes nos escritos do séc. XV e relacionadas com Lao Tsé. Após haver ensinado durante toda sua vida Lao Tzu estava decepcionado com o homem, que parecia não desejar seguir o caminho da divindade. (Existem diversas traduções dos escritos de Tao, cada qual com uma interpretação própria, e com algumas divergências, devendo-se, contudo, levar em conta a existência. Existe grande dificuldade em se traduzir textos que foram escritos em forma de parábola e em língua arcaica).

Os Taoístas religiosos acreditam na existência de um lugar de grandes e pequenos deuses, estudam a natureza procurando encontrar formas de mudá-la (alquimia). Os Taoístas Religiosos desenvolveram complicadas cerimônias mágicas, e também algumas formas de artes marciais, práticas mágicas, sendo a mais popular aquela conhecida pelo nome de Bágua.

Na realidade o Taoísmo baseia-se num dos Princípios Herméticos, o Principio da Polaridade que diz ser a natureza bipolar, pois tudo nela tem um oposto. Na essência o universo conhecido é composto de componentes opostos; vezes físicas hard/soft; claro/escuro; vezes morais, bom/ruim; vezes biológicos, masculino/feminino. Etc. Tudo no universo pode ser classificado em duas polaridades Yang (pronuncia "yong") ou Yin.

Sua doutrina, em síntese, pousa no TAO – cuja noção metafísica é Aquilo que existiu muito antes dos homens dele tomarem conhecimento. Quanto ao significado vulgar, TAO quer dizer via ou caminho. Ele porém é muito mais que tão simples definição. Basta dizer que é impossível defini-lo sem o auxÍlio da noção exata de Yin-Yang.

Há muitos sentidos para o significado do nome Tao Te Ching. Um deles define o Tao Te Ching como “As Leis da Virtude e seus caminhos”. Tao Te King, também escrito Tao Te Ching (pronuncia-se: Dao Dê Jing) significa: Ching (livro, escrito, manuscrito), Tao (Infinito, a Essência, a Consciência Invisível, o Insondável, o como, de como as coisas acontecem). Literalmente, portanto, significa “O livro de como as coisas funcionam” e na realidade é este o seu objetivo, mostrar como as coisas no universo funcionam segundo o Tao. Também significa “O Livro que Revela Deus” e “O livro que leva à Divindade”.
Cita-se uma terceira obra atribuída a Lao-Tsé, a Chuang Tse, mas em nossos dias pouco se sabe do modo como ele apresentou o Taoísmo.

Uma indagação comumente feita diz respeito à diferença que existe entre o Taoísmo e o Confucionismo.  Qualquer verdade atribuída ao Taoísmo e ao Confucionismo tem que ser vistos lado a lado como duas formas distintas direcionadas às condições sociais, políticas e filosóficas da China. Enquanto o Confucionismo está muito relacionado às relações sociais, com a conduta e a sociedade humana, por sua vez o Taoísmo tem um caráter muito mais pessoal e místico.

Lao Tsé pelo que se sabe foi verdadeiramente um sábio conselheiro, razão pela qual atraiu muitos seguidores, embora sempre haja se recusado a fixar suas idéias por escrito, por acreditar que as palavras poderiam estabelecer algum dogma formal. Lao Tzu desejava que a sua filosofia permanecesse apenas como um modo natural de vida estabelecido sob uma base de bondade, serenidade e respeito. Assim ele não estabeleceu nenhum código rígido de comportamento, preferindo ensinar que a conduta de uma pessoa deve ser governada pelo instinto e pela consciência.

Lao Tsé, com sua sabedoria atraiu muitos seguidores, ensinava que nenhuma tarefa deveria ser apressada, bastante, que tudo deve acontecer no seu devido tempo acreditava que a “simplicidade” era a chave para a verdade e a liberdade, assim encorajava seus seguidores para observarem mais a natureza do que aos ensinamentos de mestres; a observarem e entenderem as leis da natureza, a desenvolverem a intuição e a construir um poder pessoal a ser usado para se conduzir na vida com carinho e sem imposição da força.

[1] No Site www.symbolsite.com na sessão Taoísmo há uma aplicação dos 81 versos relacionados a relação entre Mestre e discípulo.

[2] Existem diversas traduções dos escritos de Tao, cada qual com uma interpretação própria, e com algumas divergências, devendo-se, contudo, levar em conta a existência. Existe grande dificuldade em se traduzir textos que foram escritos em forma de parábola e em língua arcaica.

[3] Há mais de uma grafia para este nome.


José Laércio do Egito - F.R.C.



Outra Fonte...


O supremo Mestre chinês, nascido por volta de 604 a.C., tem sua existência mesclada de fatos históricos e lendários. Em termos místicos, diziam os antigos que ele foi concebido por sua mãe mediante o raio de uma estrela, que o conduziu durante 160 anos. Lendariamente, afirmava-se que ele já nascera velho e de cabelos e barbas brancos. Talvez haja nessa lenda a maneira poética de justificar a sabedoria de Lao-Tsé.

Sua doutrina, em síntese, pousa no TAO – cuja noção metafísica é Aquilo que existiu muito antes dos homens dele tomarem conhecimento. Quanto ao significado vulgar, TAO quer dizer via ou caminho. Ele porém é muito mais que tão simples definição. Basta dizer que é impossível defini-lo sem o auxÍlio da noção exata de Yin e Yang.


Yin e Yang



Os chineses, em sua linguagem metafórica, dizem que Yin expressa as nuvens e o tempo sombrio, enquanto Yang assume a figuração de um sol acima do horizonte. Por vezes Yin toma o aspecto obscuro e Yang, o luminoso em tudo quanto existe na alma humana e na natureza. Ambos, no entanto, só existem mediante a mútua correlação: um de sapareceria sem o outro. Eles equivalem ao ritmo cósmico e telúrico. Yin é passivo e feminino; Yang é ativo e masculino.

No I Ching (Livro das Mutações) obra de Lao-Tsé, o Yin é assinalado por uma linha interrompida: —— ——; e Yang por uma linha contínua: ————. A combinação dessas linhas forma os trigramas e os hexagramas.

Os trigramas teriam sido revelados por Fo-Hsi, no século XXVIII a. C.; segundo a lenda, este sábio os recebera de um Dragão vindo de um rio...

Os trigramas são dispostos em forma circular em torno de Yin e Yang e, comumente, servem como meio de proteção mágica. Até hoje são usados nas portas dos magos orientais, tanto chineses quanto vietnamitas. Os trigramas, por sua complexidade, merecem estudos mais acurados.

Os hexagramas estão reunidos no I Ching. São figuras de seis traços cada uma. Estes traços podem ser contínuos ou descontínuos (—— ou — —). Eles representam o TAO ou princípio universal que rege a ordem.

Os hexagramas são ao todo 64:

o primeiro, representando Yang, forma um grupo de 6 linhas contínuas: o segundo, expressando Yin, forma o grupo de 6 linhas descontínuas:


Yang                              Yin
————                      —— ——
————                      —— ——
————                      —— ——
————                      —— ——
————                      —— ——
————                      —— ——
————                      —— ——


As múltiplas combinações simbólicas dos hexagramas apresentam os elementos constitutivos do Universo e a captação psicológica do indivíduo. Por fim, os hexagramas formam um jogo de profunda complexidade.



Lao-Tsé


Até agora tudo que afirmamos acima favorece encontrar o valor de Tao defendido por Lao-Tsé. Embora haja várias interpretações, o Tao, herdado por este pensador da filosofia de Fo-Hsi, foi traduzido como razão, palavra (ou Verbo) e senda. É interessante lembrar que quando os padres cristãos resolveram verter para o chinês o Novo Testamento, de Jesus, colocaram no capítulo de João o seguinte texto: "No começo foi o Tao, e o Tao estava com Deus e o Tao era Deus."

Embora Lao-Tsé tivesse se inspirado na doutrina de Fo-Hsi, mostrou interesse em conservar o sentido tradicional, oculto, da palavra Tao. No seu livro o Tao-te-King, afirma: "O Tao que pode ser compreendido não é o verdadeiro Tao."


Fo-Hi


Para Fo-Hsi o Tao não é a soma de Yin e Yang, uma vez que Yin e Yang subsistem simultaneamente. O Tao porém não deixa de ser o regulador ou equilíbrio entre as polaridades feminina e masculina ou negativa e positiva. O Tao é, melhor dito, o princípio da ordem. Em parte é nesta ordem que Lao-Tsé formula seu pensamento, até quando desce à noção ética. Por isso ele deplora a desagregação da sociedade de seu tempo, ausente do princípio moderador. Daí afirmar, com veemência, no Tao-te-King: “Retirar-se para a obscuridade é o caminho do Céu.”

A obra de Lao-Tsé jamais foi do agrado popular. Teria ele sido, para muitos eruditos, mais um pensador do que propriamente um escritor. Por isso contam-se fatos curiosos a seu respeito. Entre eles ficou a história do imperador chinês, do III século de nossa Era, que, gostando do livro de Lao-Tsé, lia-o para os súditos diariamente, mas ameaçava com cruéis castigos o ouvinte que se espreguiçasse ou bocejasse durante a leitura do Tao-te-King.

Não era porém tão insípido o texto taoísta. Nesse ponto, a opinião de Confúcio é-lhe extremamente favorável. Não importando que a direção mental de Confúcio e Lao-Tsé tomem , não raro, caminhos opostos. Este foi mais metafísico, aquele mais pragmático. Quando Confúcio encontrou com Lao-Tsé, tinha 30 anos e o velho mestre 80. Ambos, por seus títulos, atingiram a mesma grandeza: Lao e Kung, possuem o mesmo significado de mestre.

As afirmações morais de Lao-Tsé se antecipam muitas vezes ao pensamento de Jesus. Diz ele: “Aos que são bons para mim, eu sou bom. E aos que não são bons para mim, eu também sou bom.” E mais adiante afirma: “Pague a ofensa com a bondade.” Aliás, já tem sido muito estudada a similitude entre o pensamento de Lao-Tsé e do Nazareno.

Lastimavelmente, através do tempo, houve um processo degenerativo dos conceitos básicos, espirituais do verdadeiro taoísmo.

A fonte porém ainda pode ser encontrada em sua pureza por todos que prefiram ler e, meditativamente, vencer as dificuldades da obra de Lao-Tsé. Os comentários sobre as grandes doutrinas são quase sempre desabonadores e perigosos quanto à desvirtuação dos textos originais.

Em seu sentido mais antigo, o Tao-te-King era traduzido com mais acerto como o Livro da Perfectibilidade da Natureza. Isto advindo do teor cosmogônico que, por sua vez, abrangia as doutrinas fundamentais da Cosmogênese.

Afirmava Lao-Tsé, em sua obra, que no princípio não havia nada além do Espaço Infinito. A Vida fez-se por si mesma ou seja do Princípio que existe e desenvolve por si próprio. É aqui que então se enquadra o termo Tao, desconhecido e insondável. Do mesmo modo, a Natureza, para esse filósofo oriental, era incriada, inata e eterna em sua energia. Seu conceito filosófico deixa dúvidas quanto a sua crença em Deus, ou seja, num Deus cultuado e aceito pela maior parte das religiões; pois o Tao que ele adotava em sua dissertação jamais se poderia chamar de uma divindade.

Por fim, o Tao permanece envolto em mistério. Se não é Deus como transparece nas afirmações de Fo-Hsi e de Lao-Tsé, ele é semelhante a um Poder de plena energia onipresente. Isto é o que se deduz das últimas lições que o autor do Tao-te-King deu a Confúcio:


"O Tao não é algo que se possa oferecer como uma dádiva,
nem legá-lo aos filhos. A única maneira de possuí-lo
 seria a de dar-lhe lugar no coração."
Lao-Tsé






Pintura da Dinastia Qing onde Confúcio
apresenta a Lao Zi
o jovem Buda Gautama


“Há um Tempo para estar na frente,
um Tempo para estar atrás,
um Tempo para estar em movimento,
um Tempo para estar parado,
um Tempo para ser vigoroso,
um Tempo para estar exausto,
um Tempo para estar em segurança,
um Tempo para estar em perigo.
O mestre vê as coisas como elas são,
sem tentar controlá-las.”
Lao-Tsé

Não lembra Jó, no livro bíblico?






Lao Zi representado
 como divindade Taoísta







Frases de LAO-TSÉ:


“Quando o líder efetivo dá o seu trabalho por terminado,
 as pessoas dizem que tudo aconteceu naturalmente.”


“As palavras verdadeiras não são agradáveis
e as agradáveis não são verdadeiras.”


“Quem conhece a sua ignorância
revela a mais profunda sapiência.
Quem ignora a sua ignorância
vive na mais profunda ilusão.”


“O sábio pode descobrir o mundo
sem transpor a sua porta.
Vê sem olhar, realiza sem agir.”


“Conhecer os outros é inteligência,
conhecer-se a si próprio é verdadeira sabedoria.
Controlar os outros é força, controlar-se
a si próprio é verdadeiro poder.”


“Quem conhece os outros é sábio;
Quem conhece a si mesmo é iluminado.”


“Se não podes avançar uma polegada,
retrocede um pé.”


“Saber que não se sabe, isso é humildade.
 Pensar que um sabe o que não sabe, isso é doença.”


“Na condução das questões humanas
não existe lei melhor do que o autocontrole.”


“Aquele que tudo julga fácil,
encontrará muitas dificuldades.”


“Nada é impossível a quem pratica a contemplação.
Com ela, tornamo-nos senhores do mundo.”


“Para ganhar conhecimento, adicione coisas todos os dias.
Para ganhar sabedoria, elimine coisas todos os dias.”  





Consulta:

Nenhum comentário:

Postar um comentário